Paralelos entre o mundo de hoje e o período inflacionista da Alemanha de Weimar

Este artigo é uma tradução/adaptação do texto “Parallels between the world today and the inflationist period of Weimar Germany” escrito por jbourneBTC o qual você pode acessar clicando aqui.

Tradução por Panorama Maior

Com a palavra, o autor:

Nos anos que se seguiram à Primeira Guerra Mundial, a Alemanha de Weimar experimentou um período de alta inflação que acabou levando a moeda alemã a se tornar efetivamente inútil em 1923.

Em seu livro de 1975 intitulado “When Money Dies: The Nightmare of Deficit Spending, Devaluation, and Hyperinflation in Weimar Germany”, Adam Furgesson descreve em detalhes o que levou a essa inflação maciça e as profundas consequências socioeconômicas que se seguiram.

Cem anos depois, após a resposta do mundo ao COVID , muitos países ao redor do mundo estão passando por um período de alta inflação. Claro que não é tão severo quanto na Alemanha de Weimar, pelo menos não ainda, e se vai se tornar tão severo ainda não se sabe, mas uma coisa é certa, há semelhanças impressionantes entre o mundo de hoje e aquele que marcou a Alemanha há um século.

Uma passagem do livro em particular me levou a essa ideia de escrever um artigo destacando as semelhanças entre esses dois períodos no tempo:

“Condenar a luta do indivíduo pela sobrevivência como egoísta ou errada, em circunstâncias tão caóticas era, de muitas maneiras, injusto. Quando as pessoas não entendem o que está acontecendo, ou por que está acontecendo, e não têm ideia do que fazer a respeito, o pânico deve seguir”.

Não tenho certeza do que o futuro reserva e como tudo isso se desenrolará exatamente nos próximos meses e anos. Minha esperança ao escrever este artigo é que ele ajude as pessoas a entender o que está acontecendo , por que está acontecendo e ter uma ideia do que fazer a respeito.

Em cada seção abaixo, apresento passagens do livro (em itálico) e, em seguida, descrevo os paralelos e semelhanças com o mundo em que vivemos hoje, em resumo:

  1. Ambos os períodos seguiram eventos históricos
  2. Governos com grandes déficits fiscais e aumentos maciços de dívidas
  3. Impressão maciça de dinheiro e flexibilização quantitativa por governos e bancos centrais
  4. Degradação da moeda fiduciária
  5. Aumentos nos preços dos alimentos e escassez dos mesmos
  6. Escassez na oferta de produtos e problemas na cadeia suprimentos
  7. Os preços aumentam em todos os lugares
  8. Os preços aumentam rapidamente
  9. Escassez de casas
  10. Escassez de trabalhadores
  11. Custo de capital quebrado e sinais econômicos distorcidos
  12. Altos níveis de especulação
  13. Volatilidade e falsas esperanças — “o pior já passou”
  14. Pessoas buscando refúgio em vários bens
  15. Negação do governo das razões/causas do problema
  16. Governos tentando esconder a verdade
  17. Governos tentando de maneiras equivocadas resolver o problema
  18. Perda de confiança no governo, no setor público e nos sindicatos
  19. Pobres, as pessoas com renda fixa e as pessoas dependentes da poupança são as mais prejudicadas
  20. Aumento do sentimento de desespero, incerteza e agitação social
  21. Aumento do extremismo

Vamos mais fundo.
(N.T Marco alemão era o nome da moeda no período.)

  1. Ambos os períodos seguiram eventos históricos

Década de 1920: “ A queda do marco começou gradualmente. Nos anos de guerra, 1914–1918, seu valor cambial caiu pela metade e, em agosto de 1919, caiu pela metade novamente. No início de 1920, no entanto, embora o custo de vida tivesse subido menos de nove vezes desde 1914, o marco tinha apenas um quadragésimo de seu poder de compra no exterior. Seguiram-se doze meses de flutuação nervosa, mas depois o marco acelerou para baixo com impulso crescente, trazendo a miséria social e a ruptura política em seu rastro. Porém foi só em 1923 que a moeda alemã finalmente se desprendeu do precipício da sanidade à qual, por assim dizer, se apegou por muitos meses com as pontas dos dedos. No abismo, caiu com mais força do que qualquer um. Até mesmo que o dinheiro da Áustria e da Hungria.”

Primeira Guerra Mundial

Década de 2020: Enquanto a década de 1920 foi a que se seguiu à Primeira Guerra Mundial, o mundo de hoje viveu a Grande Recessão de 2007–2009 e, mais recentemente, entrou na “guerra contra o COVID-19” desde março de 2020. Em ambos os períodos, a atitude tomada pelos governos foi a de imprimir grandes quantias de dinheiro acreditando ser a resposta para todos os problemas econômicos e sociais.

2. Governos com grandes déficits fiscais e aumentos maciços de dívidas

Década de 1920: “Em dois meses e meio , as despesas do governo totalizaram o equivalente a £ 15,5 milhões contra uma receita de apenas £ 5 milhões . Em termos de libras esterlinas, essas somas eram bastante insignificantes: mas a verdade era que uma nação de 60 milhões de pessoas estava falindo porque (com, digamos, 500.000 marcos por libra) ela não conseguia levantar nem 30 milhões de libras por ano para cobrir despesas de apenas £ 80 milhões.”

“As condições insatisfatórias do comércio interno tiveram o efeito de persuadir o Tesouro de que era necessário aceitar um orçamento desequilibrado . A receita de impostos, taxas de exportação e taxas alfandegárias nos últimos nove meses de 1922 totalizou 324 bilhões de marcos, ou cerca de £ 10 milhões na taxa de câmbio atual. As despesas do governo no mesmo período, por outro lado, chegaram a 1.173 bilhões de marcos, ou cerca de £ 40 milhões. O déficit foi compensado aumentando a dívida flutuante com emissão de notas no valor de quase 850 bilhões. Os níveis muito baixos, em termos reais, de despesas e receitas do governo mostraram o quanto as finanças de uma nação altamente industrializada e com mais de 60 milhões de pessoas colapsou.”

“A inflação fornecia a resposta para a equação. Se um orçamento não se equilibrava, o déficit tinha que ser compensado de alguma forma.”

Década de 2020: Muitos países hoje estão incorrendo em imensos déficits fiscais, financiados em grande parte por dívidas, o que resultou em aumentos dramáticos das relações dívida/PIB em todo o mundo. Os governos estão mais uma vez esperando que imprimir dinheiro, incorrer em grandes déficits fiscais e aumentar sua dívida seja a resposta para todos os problemas, assim como fizeram na Alemanha na década de 1920.

O gráfico abaixo mostra os aumentos da dívida em relação ao PIB em vários países em menos de 1 ano, do 4º trimestre de 2019 ao terceiro trimestre de 2020.

Fonte: IIF, Deutsche Bank

Como mostrado abaixo, a dívida global em relação ao PIB está agora em níveis sem precedentes.

Fonte: Artigo da Reuters em setembro de 2021

Nos EUA, a dívida pública total como percentual do PIB também está em níveis históricos.

Em uma nota relacionada, uma estatística muito reveladora é apresentada pela Hirschmann Capital em sua carta de 2020 :

Desde 1800, 51 dos 52 países com dívida pública bruta superior a 130% entraram em default, seja por meio de reestruturação, desvalorização, inflação alta ou default total.”

3. Impressão maciça de dinheiro e flexibilização quantitativa por governos e bancos centrais

Década de 1920 : “O Reichsbank havia proclamado, e agora estava executando, um programa de impressão ilimitada de notas. Mais e mais prensas foram empregadas para o trabalho e, em dezembro, o valor emitido era limitado apenas pela capacidade das prensas e pelo cansaço físico dos impressores.”

Década de 2020: Da mesma forma, há décadas, e ainda mais desde 2009, governos e bancos centrais continuam aumentando continuamente a oferta de dinheiro (“impressão de dinheiro”) e também realizam grandes programas de Quantitative Easing (QE), tendo um forte aumento desde 2020.

A flexibilização quantitativa, conforme explicado pela Investopedia , “ é uma forma de política monetária usada pelos bancos centrais como método de aumentar rapidamente a oferta de moeda doméstica e estimular a atividade econômica. A flexibilização quantitativa geralmente envolve a compra de títulos do governo de longo prazo pelo banco central de um país, bem como outros tipos de ativos, como títulos lastreados em hipotecas (MBS).

O gráfico abaixo mostra o total de ativos detidos pelos principais bancos centrais em todo o mundo desde 2007:

Que fica assim quando consolidado.

Fonte: Gráficos compartilhados no Twitter por PrestonPysh

O M2 é uma medida que inclui dinheiro, depósitos à vista e dinheiro facilmente conversível. O gráfico abaixo mostra o aumento contínuo da oferta monetária M2 dos EUA desde 2010 e um aumento ainda mais acentuado desde 2020.

M2 — EUA, fonte FRED

Também podemos observar uma tendência muito semelhante no Euro:

M2 — Euro, Fonte TradingEconomics

No Canadá:

M2 — Canadá, Fonte TradingEconomics

Um exemplo recente das consequências de longo prazo do aumento da oferta monetária é a Turquia, que atualmente enfrenta um colapso da moeda depois de mais do que quadruplicar sua oferta monetária nos últimos 10 anos.

M2 — Turquia, Fonte TradingEconomics

4. Desvalorização da moeda fiduciária

Década de 1920: “Embora em termos reais a bolsa tenha começado a subir, o poder de compra do marco continuou a cair.”

A partir de 1918, o marco foi desvalorizado a ponto de se tornar efetivamente inútil em 1923.

Fonte: Wikipédia

O gráfico abaixo do JP Morgan mostra que embora o mercado de ações tenha subido em marcos alemães, não cresceu tanto quando calculado em uma unidade de conta diferente, o dólar americano.

Década de 2020: O gráfico abaixo mostra o “Índice de preços ao consumidor para todos os consumidores urbanos: poder de compra do consumidor, em dólar, na média das cidades dos EUA”. Em outras palavras, o dólar está perdendo continuamente seu poder de compra.

O gráfico abaixo mostra a alta correlação entre os Ativos Totais dos Bancos Centrais ao redor do mundo e o S&P500 nos EUA. Pode-se perguntar quais teriam sido os retornos reais sem a manipulação e impressão de dinheiro pelos bancos centrais em todo o mundo?

Outra forma de olhar para isso é comparar o desempenho do S&P500 desde 2008 com o desempenho desse mesmo índice ajustado pela Massa Monetária Total (veja gráficos abaixo). Embora o S&P500 tenha aumentado significativamente desde 2008, ele fica estável quando ajustado para a Oferta de Dinheiro. Em outras palavras, sim, o S&P500 está em alta, mas a maior parte do crescimento é atribuível ao aumento da oferta de dinheiro.

S&P500 e S&P500 ajustados ao M1

Fonte: QuantTrader — SP&500 vs M1 Money Supply

https://cdn.embedly.com/widgets/media.html?type=text%2Fhtml&key=a19fcc184b9711e1b4764040d3dc5c07&schema=twitter&url=https%3A//twitter.com/prestonpysh/status/1466868260838821895&image=https%3A//i.embed.ly/1/image%3Furl%3Dhttps%253A%252F%252Fabs.twimg.com%252Ferrors%252Flogo46x38.png%26key%3Da19fcc184b9711e1b4764040d3dc5c07“É interessante pensar que o S&P500 está completamente estável (0% de rendimento) desde 1997, quando normalizado em relação à oferta de moeda fiduciária (M2).”

5. Aumentos nos preços dos alimentos e escassez dos mesmos

Década de 1920: “ Um litro de leite , que custava 7 marcos em abril de 1922 e 16 em agosto, em meados de setembro custava 26 marcos. A cerveja havia passado de 5,60 marcos por litro para 18, para 30 Um único ovo , 3,60 em abril, agora custa 9 marcos. Em apenas nove meses, a conta semanal do “motorista de Seeds” para uma cesta de alimentos idêntica aumentou de 370 marcos para 2.615.

“Sei com base em meus próprios filhos como as pessoas são mal alimentadas”, disse Loebe. ‘Você não pode obter leite, e um ovo custa 2% de marcos. A situação financeira da classe média, dos pequenos patrões e assim por diante é ainda pior do que a da classe trabalhadora, à qual pertenço. Só hoje recebemos um memorando dos funcionários mais baixos do sul da Alemanha dizendo que, se o salário deles não fosse aumentado, eles destruiriam o caixa. Os salários da classe trabalhadora aumentaram aproximadamente oito a dez vezes em comparação com o pré-guerra; salários menores só foram aumentados duas a quatro vezes. Isso torna uma situação impossível quando o custo de vida aumentou dez vezes .’ ”

Década de 2020: Os preços dos alimentos em todo o mundo aumentaram significativamente nos últimos 2 anos e continuam a aumentar rapidamente. Os jornais estão repletos de artigos que documentam os aumentos significativos dos preços dos alimentos em várias categorias. aqui estão alguns exemplos:

A escassez de alimentos também está se tornando um problema generalizado, o que, por sua vez, também leva a preços mais altos.

Em muitos locais, a escassez de alimentos é tão intensa para certos tipos que os supermercados estão tentando encontrar maneiras de esconder a escassez para que o consumidor não veja as prateleiras vazias…

Fonte: The Guardian

6. Escassez na oferta de produtos e problemas na cadeia suprimentos

Década de 1920: “As pessoas mais uma vez receberam cartões de pão e açúcar, e os suprimentos foram duplamente afetados pela extrema escassez de combustível . Para essas privações, a queda do marco era a desculpa oficial — mas raramente se acreditava nisso, pois os preços continuavam subindo abruptamente durante os períodos de estabilidade temporária da moeda. A escassez de carvão foi atribuída por todos às exigências dos Aliados feitas sob o tratado de paz.”

“Nos dias em que o dólar subia, havia uma corrida nas lojas. Os preços subiam de hora em hora; o público foi tomado pela mania de comprar. Contam-se histórias de um velho solteirão que comprava panos porque a loja local não tinha mais nada para vender … Os lojistas reagiram fechando as suas lojas sob vários pretextos, por motivo de doença, assuntos familiares, inventário”

“‘Hamstering’ — entesouramento — embora uma ofensa passível de condenação, tornou-se nada mais do que senso comum.”

Década de 2020: Semelhante aos alimentos, estamos testemunhando escassez de produtos e problemas na cadeia de suprimentos em muitos setores. São inúmeros exemplos disso em todo o mundo, aqui estão apenas alguns exemplos:

Assim como na década de 1920, as pessoas também estão agora acumulando cada vez mais produtos para se proteger contra futuras faltas e aumentos de preços.

7. Os preços aumentam em todos os lugares

Década de 1920: “[…] para aqueles com famílias para alimentar ‘o aumento de 60% nos preços não dá para pensar’ .”

“Ficou claro à medida que o Natal de 1922 se aproximava e os preços subiam além do poder da maioria das classes urbanas para lidar com a crise, que ela não poderia ser adiada por muito tempo, nem o apoio ao korona continuaria de maneira útil.”

“A alta demanda aproveitou pouco o revendedor. O carro de dez cavalos , por exemplo, que (com luzes e conjuntos de partida, mas sem pneus, porque geralmente eram fornecidos separadamente) em janeiro de 1922 custava 220.000 marcos (cerca de £ 270), e em agosto custava 1,25 milhão, Janeiro de 1923 custava 114 milhões de marcos, ou metade, ou o dobro, dependendo de quando se comprou durante aquele mês frenético, o preço em libras permanecendo o mesmo.”

Década de 2020: Os preços estão aumentando rapidamente em inúmeras categorias: alimentos, energia, imóveis, frete, saúde etc. Aqui estão alguns exemplos.

Os preços dos produtos de varejo estão subindo.

https://cdn.embedly.com/widgets/media.html?type=text%2Fhtml&key=a19fcc184b9711e1b4764040d3dc5c07&schema=twitter&url=https%3A//twitter.com/prolife_madison/status/1456394990662430724&image=https%3A//i.embed.ly/1/image%3Furl%3Dhttps%253A%252F%252Fabs.twimg.com%252Ferrors%252Flogo46x38.png%26key%3Da19fcc184b9711e1b4764040d3dc5c07“Coloco etiquetas de preço na loja em que trabalho. Aqui estão alguns aumentos de preços que eu vi até agora”

Os preços das commodities estão subindo.

https://cdn.embedly.com/widgets/media.html?type=text%2Fhtml&key=a19fcc184b9711e1b4764040d3dc5c07&schema=twitter&url=https%3A//twitter.com/charliebilello/status/1461343191588823048&image=https%3A//i.embed.ly/1/image%3Furl%3Dhttps%253A%252F%252Fabs.twimg.com%252Ferrors%252Flogo46x38.png%26key%3Da19fcc184b9711e1b4764040d3dc5c07“Preços das commodities sobem no último ano…”

Os preços da energia estão subindo.

Fonte: EIA

Os preços dos carros usados ​​estão subindo.

Fonte: Lyn Alden

As taxas de contêiner e frete estão subindo.

Fonte: ICIs

Os preços das casas em todo o mundo estão subindo.

Fonte: Bloomberg

Aqui estão os preços médios das venda de casas nos EUA desde 2014.

8. Os preços aumentam rapidamente

Década de 1920: “Era praticamente impossível cotar preços antecipadamente , e os próprios clientes não corriam o risco de se comprometer com a chamada ‘cláusula deslizante’ em um contrato:”

“Havia histórias (muitas delas, com o passar do verão e com as mudanças nas taxas de câmbio várias vezes ao dia) de refeições em restaurantes que custavam mais quando as contas chegavam do que quando eram pedidas. Uma xícara de café de 5.000 marcos custaria 8.000 marcos quando bebido.”

“Você poderia ir ao padeiro de manhã e comprar dois pães por 20 marcos; mas vá lá à tarde e os mesmos dois pães seriam 25 marcos. O padeiro não sabia como isso acontecia… Seus clientes não sabiam… De alguma forma, tinha a ver com o dólar, de alguma forma com a bolsa de valores… e de alguma forma, talvez, com os judeus.”

Década de 2020: Estamos começando a ver e ouvir cada vez mais exemplos na vida real de preços que estão aumentando tão rapidamente que está se tornando cada vez mais difícil para as empresas cotar preços com antecedência.

Abaixo está uma foto recente tirada e postada no Twitter.

“Pergunte ao seu atendente o preço atual”

9. Escassez de casas

Década de 1920: “ Em vista do aumento vertiginoso do custo da mão de obra , a ânsia dos fabricantes de estender suas obras, renovar suas fábricas e embarcar em grandes esquemas de melhoria foi o primeiro sinal de algo fora do normal. Do ponto de vista social, também, tantas construções comerciais eram desafortunadas em um país agora com menos de um milhão de casas — em parte resultado das leis de controle de aluguel que haviam estrangulado o setor privado da indústria da construção. ”

“Em Viena, a maioria das pessoas vivia em apartamentos, pois apenas os muito ricos tinham casas já que só eles podiam manter os reparos. Como os aluguéis foram mantidos tão baixos (o controle sobre o aluguel é habitualmente um dos primeiros e mais baratos dispositivos do governo para conter o custo de vida sob a inflação), os próprios apartamentos eram escassos”.

Década de 2020: Uma publicação recente dos economistas do GoldmanSachs mencionou que De todas as carências que afligem a economia dos EUA, a escassez de moradias pode durar mais tempo. […] Embora a oferta de casas à venda tenha aumentado modestamente desde a primavera, permanece bem abaixo dos níveis pré-pandemia (Anexo 2) e as perspectivas não oferecem soluções rápidas para a escassez.”

Fonte: G.S.

10. Escassez de trabalhadores

Década de 1920: “Mesmo o mais respeitável dos cidadãos austríacos agora infringe a lei, a menos que esteja preparado para morrer de fome por obedecê-la … desempregados apoiados pelo Estado… mas é impossível conseguir empregados domésticos ou mesmo qualquer tipo de trabalhadores …”

Década de 2020: Estamos vendo e testemunhando uma escassez cada vez maior de trabalhadores em todo o mundo em uma ampla gama de indústrias, o que leva a ainda mais problemas na cadeia de suprimentos e escassez de produtos. Aqui estão alguns exemplos:

11. Custo de capital quebrado e sinais econômicos distorcidos

Década de 1920: “Em 13 de novembro o governo aumentou substancialmente as tarifas ferroviárias e de frete, uma medida que teve consequências diretas e ferozes para os preços em geral . “Todas as classes”, escreveu Hohler, “perderam completamente qualquer senso de proporção no que diz respeito aos custos . Um húngaro que apenas encolhe os ombros e murmura algo sobre o Tratado de Trianon quando cobrado 5.000 coroas por uma garrafa de vin mousseux fica exasperado com um aumento de 5 coroas no preço das passagens de bonde”

Década de 2020: Com os preços subindo tanto e tão rapidamente e com todo o dinheiro sendo impresso, está ficando mais difícil para as pessoas determinarem quanto pagar por uma casa, um carro, suas compras etc. para planejar o futuro. Também é muito difícil analisar empresas e investimentos com taxa de juros próxima de 0% e toda a oferta de dinheiro aumentando continuamente e a consequente inflação. Isso leva as pessoas a especular (veja abaixo), ignorar avaliações sólidas e priorizar o crescimento a todo custo.

12. Altos níveis de especulação

Década de 1920: A especulação na bolsa de valores se espalhou por todas as camadas da população e as ações sobem como balões de ar a alturas ilimitadas … … já chega a milhões.”

“Como na Alemanha e na Áustria, a especulação na Bolsa de Valores era abundante em todas as classes, com todas as categorias de ações compradas e vendidas , e a cotação de várias moedas observadas avidamente no dia a dia”

A especulação em moeda não era de forma alguma domínio exclusivo dos informados financeiramente. Qualquer um — banqueiro, político, empresário ou operário — que observasse que havia maneiras mais fáceis de manter a cabeça acima da água do que a agora muito problemática arte de trabalhar estava disposto à se arriscar na oportunidade oferecida. Foi calculado que bem mais de um milhão de alemães no início de 1923 estavam envolvidos na especulação cambial.

Década de 2020: Estamos vendo níveis absurdos de especulações em muitas facetas das sociedades em todo o mundo. Aqui estão alguns exemplos.

  • Investidores de varejo negociam ações e opções, muitas vezes usando alavancagem, por meio de aplicativos como Robinhood.
  • Ações “memes” sendo impulsionadas para avaliações astronômicas, como GME e AMC.
  • SPACs e empresas que terão pouca/nenhuma receita sendo avaliada em múltiplos insanos, muitas vezes múltiplos de receitas/receitas futuras porque não geram lucros. A Rivian, por exemplo, apesar de nunca ter vendido um único carro, foi recentemente avaliada em mais de 150 bilhões de dólares após seu IPO. A Tesla agora está avaliada em uma capitalização de mercado mais do que todos os 10 maiores fabricantes de automóveis juntos.
  • Criptos/altcoins: As pessoas estão apostando suas economias nas criptomoedas/altcoins simplesmente na esperança de revendê-las rapidamente com lucro. Além disso, muitas vezes estão assumindo cada vez mais riscos usando alavancagem com a esperança de que seus retornos sejam maiores.
  • NFTs (token não fungível): As pessoas estão gastando enormes quantias de dinheiro comprando arte digital armazenada em livros digitais, apesar de ainda não haver mercado comprovado.

13. Volatilidade e falsas esperanças — “o pior já passou”

Década de 1920: “No meio, houve momentos em que o marco parecia parar de se desvalorizar, e todas as vez as pessoas ficavam um pouco esperançosas. As pessoas diziam ‘O pior parece ter passado agora’ . Nessa época, a mãe vendeu suas casas [alugadas]. Parecia que ela havia feito um bom negócio, pois recebeu o dobro do dinheiro que havia pago. Mas os móveis que ela comprou… subiram cinco vezes de preço e… o pior ainda não havia passado. Logo a inflação recomeçou com novo vigor, e engoliu pouco a pouco as contas de poupança da Mãe e de milhões de outras pessoas”

“Momentos de esperança”; Fonte: BullionVault

Década de 2020: Alguns meses atrás, economistas, jornalistas e funcionários públicos tradicionais disseram que a inflação “não era uma preocupação”. Então, eles disseram que estava “sob controle”. Então, eles disseram que seria “transitória”. Agora, eles estão dizendo que está se mostrando mais persistente do que se pensava e pode continuar por mais tempo do que o inicialmente esperado. Powell, de fato, disse em 30 de novembro de 2021 “Hora de aposentar a palavra transitória em relação à inflação” e “A ameaça de inflação persistentemente alta cresceu”.

Em suma, as pessoas gostam de se consolar com qualquer sinal que possam encontrar para dizer a si mesmas que o pior já passou, mas até agora a inflação provou ser muito persistente.

14. Pessoas buscando refúgio em vários bens

Década de 1920: “Qualquer um que estivesse atento às realidades da inflação , disse ele, poderia se proteger contra perdas em papel-moeda comprando ativos que manteriam seu valor: casas, imóveis, bens manufaturados, matérias-primas e assim por diante.”

Em 1921, o deslocamento dos padrões monetários normais resultante da guerra, revolução, contra-revolução, Terror Vermelho, Terror Branco e, por fim, a regência do Almirante Horthy trouxe um sentimento tão grande de desânimo que o pensamento usual de qualquer pessoa com dinheiro era convertê-lo em ativos mais estáveis ​​ — moeda estrangeira, estoque industrial, antiguidades ou joias. ”

“Aquilo era um comércio simples: a única coisa a fazer com o dinheiro naquela época era transformá-lo em outra coisa o mais rápido possível.”

Década de 2020: As pessoas também estão buscando refúgio em várias classes de ativos, como mostra o aumento de muitas classes de ativos diferentes em todo o mundo.

Os mercados de ações em todo o mundo estão sempre em alta, por exemplo:

  • SP500 (USA).
  • SP-TSX (Canada)
  • STOXX Europe 600 UCITS ETF (Europa)

Os preços dos imóveis estão subindo em todo o mundo.

Fonte: FMI

Matérias-primas e commodities estão subindo em todo o mundo.

Source : FinancialTimes

O preço do Bitcoin apreciou significativamente à medida que mais e mais pessoas reconhecem que ele está gradualmente se tornando o ativo mais escasso do mundo.

15. Negação do governo das razões/causas do problema

Década de 1920: “O chanceler não aceitava nenhuma conexão entre imprimir dinheiro e sua depreciação. Na verdade, ele permanecia em negação fosse no gabinete, banco, parlamento ou imprensa. O Vossische Zeitung de 16 de agosto declarou que a opinião de que a enxurrada de papel é a verdadeira origem da depreciação não é apenas errada, mas perigosamente errada… Tanto as estatísticas privadas como as públicas mostram há muito que nos últimos dois anos a depreciação interna do marco se deve à depreciação da taxa de câmbio… Não se esqueça que a nossa circulação de papel, embora mostre na cédula uma aterradora ordem de grandeza de bilhões, na verdade não é excessivamente alta… Não temos uma ‘perigosa enxurrada de papel’ mas, pelo contrário, nossa circulação total é pelo menos três ou quatro vezes menor do que em tempo de paz. […] O Berliner Borsen Courier, alguns dias depois, mostrou maior preocupação com as consequências sociais, mas não mais consciência sobre as razões.”

Década de 2020: Ouvir qualquer político hoje em dia mostra que nenhum deles reconhece a conexão entre impressão de dinheiro e inflação. Todos eles culpam várias consequências externas, como problemas na cadeia de suprimentos e aumento da demanda por mercadorias, deixando de reconhecer que são precisamente suas próprias ações que criaram todos esses problemas em primeiro lugar. Por exemplo:

  • Em um discurso recente, Joe Biden atribuiu a inflação “meramente a natureza de uma economia moderna — a economia mundial”.
  • Em um tweet recente, a senadora Warren disse que as empresas estavam cobrando mais para manter os preços de suas ações altos, não reconhecendo que as empresas devem cobrar mais, já que todos os seus custos também estão subindo.

https://cdn.embedly.com/widgets/media.html?type=text%2Fhtml&key=a19fcc184b9711e1b4764040d3dc5c07&schema=twitter&url=https%3A//twitter.com/senwarren/status/1463598298208473088&image=https%3A//i.embed.ly/1/image%3Furl%3Dhttps%253A%252F%252Fabs.twimg.com%252Ferrors%252Flogo46x38.png%26key%3Da19fcc184b9711e1b4764040d3dc5c07“Quer saber por que seus mantimentos de Ação de Graças custam mais este ano? É porque corporações gananciosas estão cobrando mais dos americanos apenas para manter os preços de suas ações altos. Isso é ultrajante.”

16. Governos tentando esconder a verdade

Década de 1920: “Os sindicatos no final de julho protestavam que o índice, ajustado mensalmente com base no aumento do custo de vida do mês anterior, não era mais suficiente para acompanhar os preços; de modo que as pressões para imprimir mais aumentavam constantemente .”

“Pela primeira vez, os salários pagos pelo trabalho começaram a ficar atrás do aumento dos preços, de forma notável e grave, apesar de tudo que o monopólio dos sindicatos pudesse fazer a respeito. ”

Década de 2020: Todos os dias, vemos mais e mais exemplos de governos tentando esconder a verdade sobre a inflação.

  • Por exemplo, o método de cálculo do IPC foi alterado nos EUA em 1980. Os dados compilados pelo ShadowStats e apresentados abaixo mostram que o IPC calculado usando o método anterior revela que a inflação real é muito maior do que a apontada no atual IPC.
  • Outro exemplo é que governos e economistas estão agora tentando empurrar esse conceito de “núcleo de inflação”, que exclui alimentos, energia e moradia, para argumentar que a inflação não é tão ruim… Mas como todo mundo sabe, comida, energia e moradia são itens essenciais das despesas das famílias, logo não faz nenhum sentido excluir estes elementos para calcular a inflação.

https://cdn.embedly.com/widgets/media.html?type=text%2Fhtml&key=a19fcc184b9711e1b4764040d3dc5c07&schema=twitter&url=https%3A//twitter.com/stevematthews12/status/1448272673323298829&image=https%3A//i.embed.ly/1/image%3Furl%3Dhttps%253A%252F%252Fabs.twimg.com%252Ferrors%252Flogo46x38.png%26key%3Da19fcc184b9711e1b4764040d3dc5c07“O núcleo de inflação (calculado excluindo alimentos, energia e moradia) já está em declínio.”

17. Governos tentando de maneiras equivocadas resolver o problema

Década de 1920: “As cidades e vilas desenvolveram um medo em paralelo ao medo do desemprego em si. O medo que, em grande escala, o desemprego poderia levar a surtos de desordem de inspiração comunista, e assim começaram a criar artificialmente empregos para seus funcionários . Os cidadãos de Frankfurt notaram alarmados que grandes extensões de estradas bastante úteis estavam sendo reparadas fora da cidade e que o sistema aéreo de fios telefônicos estava sendo convertido para o subterrâneo .”

“De outro modo, o Governo contentou-se com medidas para adiar o inevitável.”

Década de 2020: Os governos estão tentando de várias formas lidar com a inflação, mas todas elas são fúteis ou até piores, exacerbam ainda mais os problemas.

https://cdn.embedly.com/widgets/media.html?type=text%2Fhtml&key=a19fcc184b9711e1b4764040d3dc5c07&schema=twitter&url=https%3A//twitter.com/townhallcom/status/1463243774860181520&image=https%3A//i.embed.ly/1/image%3Furl%3Dhttps%253A%252F%252Fabs.twimg.com%252Ferrors%252Flogo46x38.png%26key%3Da19fcc184b9711e1b4764040d3dc5c07REPÓRTER: “Quantos barris de petróleo os EUA consomem por dia?” Secretária de Energia: “Eu não tenho esse número na minha frente. Sinto muito.”

18. Perda de confiança no governo, setor público e sindicatos

Década de 1920: “Infelizmente, para pôr em prática suas reformas, o governo socialista dependia das classes oficiais mais reacionárias, cuja boa vontade havia diminuído com suas economias e rendas . O resultado foi que cada vez menos se fazia, e que o governo perdia o apoio dos trabalhadores que paravam de se dar ao trabalho de votar. Para eles, a política estava se tornando irrelevante : no Natal de 1921, o aumento do custo de vida e como lidar com ele se tornaram sua única preocupação.”

“Fui ver o funcionário do banco que sempre me aconselhou. ‘Bem, eu não estava certo?’ ele disse. “Se você tivesse comprado francos suíços quando sugeri, não teria perdido três quartos de sua fortuna”. ‘Perdido!’ exclamei horrorizada. — Ora, você não acha que a coroa vai se recuperar de novo? ‘Recuperar!’ ele disse com uma risada… ‘Basta testar a promessa feita nesta nota ao-kronen e tentar obter, digamos, 20 coroas de prata em troca’. ‘Sim, mas os meus são títulos do governo: certamente não pode haver nada mais seguro do que isso?’ ‘Minha cara senhora, onde está o Estado que lhe garantiu essas garantias? Está morto …”

“ O fracasso dos salários em acompanhar os preços e o conseqüente empobrecimento até mesmo dos trabalhadores mais afortunados tiveram um efeito direto sobre os sindicatos.

Década de 2020: As pessoas hoje também estão perdendo a confiança em seu governo e em sua capacidade de resolver problemas. De fato, mais e mais pessoas estão se conscientizando das externalidades causadas pela manipulação e impressão de dinheiro criada por seu próprio governo.

Por exemplo, nos EUA, uma pesquisa recente da NBC News mostrou que a maioria dos americanos disse que desaprovava a maneira como o presidente Joe Biden lidava com a economia. “A pesquisa da NBC News ocorre após um verão difícil e início de outono do seu primeiro ano de mandato, enquanto ele enfrenta uma nova onda de casos e mortes por coronavírus, consequências da retirada caótica dos EUA do Afeganistão , aumento da inflação , números decepcionantes de empregos e disputas dentro do próprio partido sobre a agenda legislativa do seu governo”.

Na zona do euro, até o Sindicato dos Funcionários do Banco Central da Europa está exigindo salários mais altos para proteger seus funcionários contra o aumento da inflação causado por suas próprias políticas…

19. Pobres, as pessoas com renda fixa e as pessoas dependentes da poupança são as mais prejudicadas

Década de 1920: “Os trabalhadores mais bem pagos eram incapazes de comprar as necessidades mais básicas da vida. Os outros e — como sempre — os de renda fixa ou dependentes de poupança sofreram com isso”.

“ Em toda a Alemanha, Áustria e Hungria , os antigos padrões de vida dos assalariados, pensionistas e pessoas que viviam de poupanças muitas vezes caíram para, quase, fora de vista.

Década de 2020: Da mesma forma, hoje, mais e mais pessoas estão vendo e sentindo a dor da inflação em suas vidas: preços mais altos de alimentos, preços mais altos de imóveis, preços mais altos em todos os lugares, escassez de produtos, etc. Eles também estão começando a perceber que se aposentar requer muito mais capital do que antes e que eles não podem planejar uma simples diversificação de portfólio com títulos, já que os juros são tão baixos e a inflação tão alta.

Os trilhões de dólares de instrumentos financeiros de baixo rendimento ou de rendimento negativo impulsionados pelo banco central demoliram os sonhos de poupadores e aposentados, proibindo um grupo enorme e crescente de indivíduos de atenderem seus desejos, objetivos e — tragicamente — até as suas necessidades de aposentadoria. Dinheiro grátis tem consequências. Porque não é grátis. Não importa quão bem-intencionada é a desenfreada impressão global de dinheiro, e a repressão financeira resultante. É o maior desafio, em escala global, da sociedade atual.” Carta Anual do Acionista StoneRidge 2020

20. Aumento do sentimento de desespero, incerteza e agitação social

Década de 1920: “Mas a verdadeira tragédia da depreciação pode ser descrita como ‘o efeito moral’. Uma queda aparentemente interminável no valor do marco previsto no exterior causará em casa um aumento insuportável de incerteza. Nenhuma discussão econômica pacificará as massas ou esconderá delas o preço do pão”.

“No final de junho de 1922, uma agitação apreciável estava se formando e o número de protestos contra o custo de vida crescia.

“Em Dresden houve um violento surto contra o custo de vida , […] Em Braunschweig houve tumultos por comida e pilhagem de lojas, e mais tumultos por comida em Berlim. A maioria deles era controlável, mas todos eram sintomas da angústia e agitação geral .”

“[Um casal] teve suas economias desvalorizadas, e por isso se revoltou. ‘Nossos tempos’, ela continuou, ‘nos tornaram cínicos. A torta estava ficando menor e mais pessoas queriam ter pedaços da torta, e então não sobrou nada da atmosfera de “bom vizinho” de antigamente .”

“Nem o ódio ao militarismo francês e à França em geral, nem um crescente desejo de vingança, foram suficientes para manter unido o povo que já havia sido o povo europeu mais respeitador da lei quando o próprio tecido da nação estava desmoronando junto com seus valores éticos, e quando os estragos morais, materiais e sociais da inflação estavam minando e piorando imensamente a condição de ambos.”

Década de 2020: São inúmeros sinais de que as pessoas estão ficando mais irritadas e ansiosas à medida que os custos aumentam em todos os lugares. Ao mesmo tempo, as pessoas ricas também estão ficando mais ricas, pois a inflação favorece as pessoas com bens e aquelas próximas à impressora de dinheiro, o que agrava ainda mais a frustração da população. Também estamos começando a testemunhar protestos em todo o mundo contra aumentos nos preços dos alimentos, aumentos nos preços da energia, aumentos nos preços das casas, etc:

Fonte: ZeroHedge

21. Aumento do extremismo

Década de 1920: “Os trabalhadores, por outro lado, eram facilmente incitados por facções extremistas , e estavam sujeitos a se descontrolar e começar a se revoltar, especialmente quando acreditavam que a maior conquista da Revolução, a jornada de oito horas, estava sob ataque dos grandes industriais”

“Com as organizações secretas crescendo no poder, o nacionalismo extremista florescendo e o antissemitismo em evidência até mesmo nos círculos oficiais, a Hungria estava à beira do precipício.”

“Pouco a pouco, explicou Seeds, a estrela de Hitler começou a ofuscar as medalhas de Ludendorff. A salvação econômica tornou-se para a maioria das pessoas a necessidade mais urgenteElas estavam sendo afastadas da política pelo custo de vida e baixos salários. Somente Hitler foi capaz de ajustar seu navio a qualquer vento; e, em uma palavra, a classe média estava se tornando nazista.”

Década de 2020: Como os custos de vida estão aumentando rapidamente em todo o mundo, está se tornando cada vez mais difícil para bilhões de pessoas simplesmente sobreviver. Uma reação natural é as pessoas buscarem respostas sobre por que tudo isso está acontecendo com elas e, assim, apontarem o dedo para qualquer coisa em que possam pensar que seja a raiz do problema de sua dor. Assim como a ascensão de Hitler ao poder culpando os judeus pelos problemas do país, estamos vendo um aumento do extremismo em todo o mundo.

Para concluir, o que acontecerá exatamente e como tudo isso acontecerá nos próximos meses e anos é incerto. Nada é completamente binário também, o que significa que há uma ampla gama de possibilidades do que pode acontecer. Mas uma coisa é certa, a inflação alta e persistente certamente é um cenário possível que todos deveriam considerar.

Agora, do ponto de vista financeiro, o que alguém pode fazer para proteger a si e sua família em um ambiente inflacionário? A resposta exata varia de acordo com a realidade de cada um (idade, família, emprego, localização, etc), mas em poucas palavras, os investimentos que oferecem proteção contra a inflação são: ativos escassos (para muitos como eu a resposta é o Bitcoin, enquanto para outros é ouro e metais preciosos), bons imóveis, ações de empresas com preços razoáveis ​​que podem aumentar seus preços facilmente e expandir seus negócios sem ter que gastar muito para isso, e produtores de commodities (petróleo, gás, etc). No espectro oposto, os investimentos que oferecem pouca proteção contra a inflação são dinheiro, títulos e instrumentos de renda fixa.

Em um podcast recente entre Peter McCormack e LynAlden sobre o tema da inflação, Lyn Alden descreve bem o ambiente econômico em que o mundo está hoje e o que se pode fazer para se proteger:

“ Lyn Alden: Então, uma das grandes coisas em que me concentro é o fato de que, como estamos no final deste ciclo de dívida de longo prazo, eles têm que manter as taxas baixas apesar da inflação, porque senão os governos soberanos que estão insolventes, abrem a possibilidade dessa espiral fora de controle. E assim, se você quiser fazer o argumento da hiperinflação, você basicamente olha à história e diz que nenhuma moeda fiduciária durou particularmente por muito tempo.

A estrutura que temos desde a década de 1970, que é o mundo inteiro sobre um padrão de moeda fiduciária, é muito única na história da humanidade e é apenas um experimento de 50 anos. Então, esta é a primeira vez que o sistema de moeda fiduciária é testado em um ambiente inflacionário com tanta dívida no sistema e com as taxas de juros reais tão baixas. última vez que passamos por isso foi na década de 1940 no mundo desenvolvido, nas décadas de 1920, 1930 e 1940. Naquela época, eles tinham um “pino de ouro”, então muitos deles tiveram que quebrar seu pino de ouro, mas então eles restabeleceram seu pino de ouro em um nível mais baixo e, eventualmente, fizeram a transição para o sistema de Bretton Woods. Então, eles ainda tinham um vínculo a um dinheiro baseado em commodities.

Considerando que agora, estamos passando por um fenômeno semelhante, mas em um regime de moeda puramente fiduciária e, portanto, há muitas grandes questões sobre como eles vão lidar com isso. Uma das minhas visões gerais é que, basicamente, eu me posicionaria para a hiperinflação de maneira semelhante à forma como me posiciono para a inflação. E assim, minha visão geral é basicamente ter ativos escassos, ativos produtivos ou bons bens monetários; então, algumas pessoas preferem ouro, algumas pessoas preferem Bitcoin, algumas pessoas preferem uma mistura de ambos. Portanto, essas combinações de, digamos, produtores de commodities, ativos tangíveis, bons imóveis e bons recursos são a proteção contra uma ampla gama de cenários inflacionários”.

Estes são tempos muito desafiadores para bilhões de pessoas em todo o mundo. Você não está sozinho se achar difícil manobrar as atuais incertezas econômicas. Espero que meu artigo tenha ajudado você a entender melhor o que está acontecendo e como você pode se posicionar financeiramente e sua família em um ambiente econômico de inflação persistente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: